quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Muito se passou nos últimos tempos

Ignora-se para este texto a lógica cronológica mas relembra-se um pouco de esses tantos que se deram nos últimos tempos, uma brasileira que não gosta do número três ao contrário, muitos contrários que de brasileiros pouco gostam, um seleccioonador que muito tempo depois de ter perdido o bigode corria, agora, o risco de perder também a cabeça, mas Portugal lá foi andando, mostrando-se aqui e ali como sempre o conhecemos. Das políticas ouviram-se as coisas habituais, habituados a esse habitual que sempre conhecemos lá fomos ouvindo os Eu, que sou um partido, critico, aos Eu, que mando, me esquivo. Houve espaço ainda para o nó-bél das letras dizer o que acha sobre o que tantos pensam conhecer, abra-se o parêntese, E, concordando-se ou não, aos 85 anos dizemos o que pensamos e não o conveniente - valha-nos isso por agora como um tal de deus terá valido a tantos outros - enquanto as hordas de iletrados se comportam como bombardeiros na Dresden de 1945, feche-se o parêntese. Entre o que ouvimos e escutámos e o que ouvimos mas decidimos ignorar, lá vieram os agentes, que é assim que lhes chamam, desportivos. Ronaldo, o português, enche-se de momentânea humildade e assume este ano o lado contrário da barricada pois se no ano passado bem sabíamos que o português ganhava, é certo que este ano será de prémios grandes para o pequeno argentino, este não-cocaínado, que lhe vê agora ser retribuída a reverência que soube ter na altura certo. No entretanto houve taça de Portugal e, mais goleada, menos goleada, lá testemunhámos serenamente que a festa da taça nem sempre surge como naquele dia em que David vencera Golias pois manda a probabilidade dizer que Golias é grande e presume-se que muitos davides terá pisado até ser enganado. Mas ainda há bola por cá, haja bola, da europeia e da periférica, em particular para mim que nutro estima pelas verdes cores de Lisboa, que este ano respeitam o simbolismo cromático do enjoo e não o da tão célebre esperança. Mas eu reafirmo-me verde como o mais bruto dos lagartos, pobre animal tão censurado pela falta de pêlo. Pensemos na quantidade de mamíferos que pelo nosso futebol proliferam, do burro ao cão, passando pelos primos linguísticos que cá chegam de uma ou outra forma, seja cavalgadura, seja cabrão. O meu verde não é assim, não pode, não saberá ser assim, a dúvida, coisa vaga mas que pesa mais do que uma sombra porque assombra, por cá anda a pairar, sobrevoa o plantel, os adeptos e inevitavelmente o cabelo bentiano, bettencourt, esse jovem do cabelo grisalho lá vai dando alfinetadas, relembrando a modéstia financeira perante a opulência. Mas há que aceitá-lo. Queremos mais e melhor com cada vez menos. A equação é complicada e, penso, não melhora com o tempo. Esconde-se a confiança mas não o amor. Quero que ganhem, amanhã e nos dias que se seguirem. Quero que ganhem para poder dizer que ganhei. Quero que ganhem para evitar a simples vitória moral. Essa, sei que a tenho, por isso se apoia com maior ou menor berro, com maior ou menor sucesso. Será essa porventura a minha obrigação, mas atenção meu caro clube, também a tens. Eu, réptil, mantenho-me firme. Mas decidam-se e comprometam-se. Sejam Sporting.

[Ainda há Apita.]

4 comentários:

manucho disse...

concordo a 75% com a análise da festa da taça(o olhanense (que ninguém me tira da cabeça ser um gigante do futebol nacional)foi eliminado pelo não-sei-quem).
a 100% com a análise melhor-do-mundo-com-feitiço-do-feiticeiro-pepe-contrafeitiço-do-bruxo-de-fafe-e-uma-ajudinha-extra-dos-xamãs-do-perú vs messi.
e, como fellow lagarto, a 100% com as nossas obrigações e as do nosso clube.

Nalitzis Krpan disse...

Olá, manucho, essa tua descrição do melhor-do-mundo-com-feitiço-do-feiticeiro-pepe-contrafeitiço-do-bruxo-de-fafe-e-uma-ajudinha-extra-dos-xamãs-do-perú é um comentário santo.

Sexta-Feira há Liga Prognósticos aqui no Apita. Não te esqueças de participar.

Morales disse...

Finalmente o Apita-me acordou. Welcome Back!

A propósito de feitiços e refeitiços não deixem de ver isto (não deixem todo o blogue que é da partir o coco a rir):

http://www.dirtytackle.net/2009/10/cristiano-ronaldo-magic-fight/

Nalitzis Krpan disse...

Brutal, Morales. Esperemos que a Bósnia seja pouco pródiga em feitiços. Caso contrário estamos fodidos.

Site Meter